Jardins Efanor

Um dos maiores projectos imobiliários do país termina primeiro edifício

 

É um dos maiores projectos imobiliários em construção em Portugal. Fica no Norte do país, em Matosinhos e mesmo em tempo de pandemia as obras continuam. Nos Jardins Efanor, o promotor imobiliário Grandavenue72 vai investir cerca de 250 milhões de milhões de euros até 2025. Em 2017, a Grandavenue72 à Prédios Privados, um dos activos de maior valor no portefólio imobiliário da Sonae Capital, pelo valor de 30 milhões de euros. Cabe à Invest&Co promover e coordenar todo o desenvolvimento e entrega do projecto chave na mão, nos segmentos empresarial e particular.

Em entrevista ao Diário Imobiliário, Sandro Oliveira, CEO da InvestCo, admite que sentirão em alguns segmentos, o impacto decorrente da pandemia. Apesar de não saber as verdadeiras consequências, acredita que o produto e o país irão continuar a atrair investidores.

        
 

Notícia na íntegra no Diário do Imobiliário.

A nova cidade que vai nascer junto ao NorteShopping

Um ano depois de ter comunicado que pagou 30 milhões de euros à Sonae Capital para ficar com a Prédios Privados, a Grandavenue 72 revela agora o projeto imobiliárioque pretende desenvolver no chamado loteamento da Efanor: até 2025, a sociedade liderada por Pedro Couto, da Telhabel – que inclui também os investidores Gonzalo Alvargonzalez Figaredo (espanhol) e Daniel Klein (suíço) quer ali construir uma cidade, dentro da cidade de Matosinhos. Para isso compromete-se a investir 250 milhões de euros, na totalidade.

Este novo projeto de 105.000 metros quadrados (m2) – que contempla 10 edifícios, em que 60% da área será direcionada ao segmento residencial com 400 apartamentos e 40% ao setor terciário, estando também prevista a construção de uma unidade hoteleira – visa dar utilização a uma extensa área abandonada, situada junto ao NorteShopping, para onde o falecido líder da Sonae, Belmiro de Azevedo, chegou a idealizar um complexo imobiliário que foi congelado nos anos de crise.naquela que designa a primeira Edge City

Aquela que se designa como primeira Edge City de Portugal “é seguramente o maior projeto imobiliário em curso no Norte e talvez no País e queremos que os Jardins Efanor sejam um espaço privilegiado de coliving e coworking, seguindo as novas tendências de urbanismo, enquanto espaço moderno com acesso a todo o tipo de valências, desde a residência, trabalho, saúde, o shopping, a educação, o hipermercado”, refere Pedro Barros Rolo, partner da Invest&Co, empresa responsável pela coordenação do projeto.

 

Invest&Co

Metade do Edifício Delfim Pereira da Costa já está reservado

O mega projeto Jardins Efanor, segundo é contado por esta empresa em comunicado, encontra-se em fase de pré-venda, estando já 50% dos imóveis reservados. Até final do primeiro trimestre de 2020, estarão disponíveis mais de 60 apartamentos tipologia T3 e T4.

Estes primeiros 62 apartamentos, tal como avançou o idealista/newsem agosto, correspondem ao Edifício Delfim Pereira da Costa, iniciado em final de 2009 e que estava integrado no condomínio residencial Efanor – um projeto da Sonae que previa a construção de 700 frações, mas que ficou inacabado por causa da crise.

 

Invest&Co

Além de manter a designação – dada em homenagem ao empresário fundador da Empresa Fabril do Norte (Efanor), que a Telhabel decidiu manter – o Edifício Delfim Pereira da Costa mantém também o projeto de arquitetura da autoria de Alcino Soutinho, que faleceu a 24 de novembro de 2013.

O edifício, de r/chão e quatro pisos, com quatro entradas independentes, apresenta agora “várias propostas de habitação”. “Desde os T0, T2, T3 – com áreas de 156 m2 (exemplo de fração no piso 3, bloco B) – e T4 – com 196 m2 (piso 3, bloco A) –, algumas com um micro-office, ou em duplex, com piscina e terraço, na cobertura”, destaca a brochura atual.

Os preços das frações vão desde os 476 mil euros, no caso dos T3, e dos 599 mil euros, no caso dos T4, apresentando preços médios de cerca de 3.000 euros por m2 (300.000 euros por 100 m2).

 

Invest&Co

Grandavenue investe 250 milhões em projeto em Matosinhos

A Grandavenue está a construir o “Jardins Efanor”, um mega projeto que incluirá 400 apartamentos, uma residência sénior, uma universitária, um hotel e um centro empresarial.

Em Matosinhos vai nascer a primeira cidade dentro de uma cidade. Parece confuso, mas quando o projeto ficar concluído será mais fácil de perceber. Isto porque a Grandavenue vai investir 250 milhões de euros até 2025 no “Jardins Efanor”, um mega projeto com 120.000 metros quadrados que incluirá serviços, comércio, hotelaria e zona residencial. E metade dos apartamentos já estão reservados.

Em 2017, a Grandavenue comprou este lote com cerca de 104.000 metros quadrados à Sonae Capital, na altura pagou 30 milhões de euros pelo ativos de maior valor do portefólio imobiliário da empresa. Mas, tal como avançou o Expresso (acesso pago), o investimento total vai ser bastante mais elevado. A ideia é construir a primeira edge city do país e a localização escolhida foi Matosinhos.

Maquete do projeto residencial Jardins EfanorD.R.

O projeto já está em pré-venda e será 60% residencial, num total de 400 apartamentos. Até ao final do primeiro trimestre de 2020 estarão disponíveis mais de 60 apartamentos T3 e T4, sendo que 50% já estão reservados, adiantou a Grandavenue, em comunicado.

Além disso, 40% será de serviços: ao centro comercial NorteShopping, ao supermercado Continente e ao colégio Efanor vão juntar-se uma residência sénior, uma residência de estudantes, um hotel e um centro empresarial (que já está ativo).

“Este é o nosso maior projeto imobiliário no qual respeitaremos todo o legado deixado pela família Azevedo, através da sua Fundação [o projeto já tinha sido pensado por Belmiro de Azevedo]. Queremos que os Jardins Efanor sejam um espaço de coliving e coworking com uma qualidade de vida superior“, diz Pedro Rolo, CEO da Invest&Co, empresa que ficará responsável pelo projeto.

“Com cerca de 50.000 metros quadrados de zona verde, seguem as novas tendências de urbanismo, enquanto área privilegiada assente nos conceitos de mobilidade e sustentabilidade”, remata.

Eco Sapo Online – Jardins Efanor

Novo dono vai investir 250 milhões na construção da cidade de Belmiro de Azevedo

Chama-se “Jardins Efanor” o projeto imobiliário que vai nascer nos terrenos conhecidos por “Loteamento Efanor”, por se situar numa área em tempos ocupada pela fábrica onde Belmiro de Azevedo (falecido há dois anos) começou a trabalhar e que esteve na génese do império Sonae, dando até o nome à “holding” da família Azevedo.

Um ano depois do anúncio da aquisição do loteamento à Sonae Capital por 30 milhões de euros, a sociedade Grandavenue72 anunciou esta segunda-feira, 11 de novembro, que vai investir, até 2025, cerca de 250 milhões de euros na “maior cidade dentro de uma cidade em Portugal”, como descreve o projeto que irá, finalmente, dar utilização a uma extensa área abandonada, situada junto ao NorteShopping, em Matosinhos, para onde Belmiro de Azevedo chegou a idealizar um complexo imobiliário que foi congelado nos anos de crise.

A desenvolver numa área total de 120 mil metros quadrados, o “Jardins Efanor” incluirá serviços, comércio, hotelaria e zona residencial (60% do total) com 400 apartamentos.

“Este é o nosso maior projeto imobiliário no qual respeitaremos todo o legado deixado pela família Azevedo, através da sua fundação. Queremos que os Jardins Efanor sejam um espaço de ‘coliving’ e ‘coworking’ com uma qualidade de vida superior. Com cerca de 15 mil metros quadrados de zona verde, seguem as novas tendências de urbanismo enquanto área privilegiada assente nos conceitos de mobilidade e sustentabilidade”, refere Pedro Rolo, CEO da Invest&Co, empresa responsável pela gestão do projeto, em comunicado.

De acordo com a Invest&Co, o projeto Jardins Efanor “encontra-se em fase de pré-venda, estando já 50% dos imóveis reservados”, prevendo que, “até ao final do primeiro trimestre de 2020, estarão disponíveis mais de 60 apartamentos de tipologia T3 e T4”.

Estes primeiros 62 apartamentos correspondem ao Edifício Delfim Pereira da Costa, iniciado em final de 2009, que estava integrado no condomínio residencial Efanor, projeto da Sonae que previa a construção de 700 frações, mas que ficou inacabado.

Delfim Pereira da Costa foi o fundador da Efanor (Empresa Fabril do Norte).

Com os preços a rondarem os três mil euros por metro quadrado, um T3 (156 m2, varanda de 20 m2 e garagem privada) custa 475 mil euros, chegando aos 670 mil euros se tiver piscina na cobertura.

Trata-se do primeiro projeto a avançar de um conjunto de seis edifícios previstos.

A promotora deste complexo imobiliário, a Grandavenue72, é detida pela família Couto, dona da Telhabel, e dois investidores internacionais – o suíço Daniel Klein, dono da imobiliária Geonosis, e o espanhol Gonzalo Alvargonzalez Figaredo, membro de uma das famílias mais poderosas de Espanha e que detém o grupo marítimo-portuário Ership.

Jornal de Negócios – Jardins Efanor

A cidade de Belmiro de Azevedo volta a crescer na velha Efanor

Apresenta-se como o maior projeto imobiliário do Norte do país. São 105.000 metros quadrados de área bruta de construção acima do solo, mais 50.000 metros quadrados de jardins, prontos a absorver um investimento de €250 milhões da Grand Avenue até 2025. O objetivo é dar “uma nova vida” à cidade que o empresário Belmiro de Azevedo (1938-2017) desenhou para os terrenos da Efanor, a fábrica que marcou a sua estreia no mundo do trabalho, antes de assumir a liderança da Sonae, e deu nome à holding da família Azevedo.

“Vamos desenvolver um projeto mix-use, com uns oito edifícios para habitação, escritórios, hotel, residências sé­nior e de estudantes, co-living/co-working”, diz ao Expresso Pedro Couto, administrador da Telhabel e um dos sócios da empresa que comprou o ativo histórico da Sonae há um ano, por €30 milhões.”

Expresso Online – Jardins Efanor